terça-feira, 10 de março de 2009

REFLEXOS

Desassossego. Um quarto desorganizado, papéis, roupas, o chão onde não se pisa. Um espelho e um reflexo nele; ou nada. Sem reconhecimento. Um caminho tortuoso, o cansaço, a falta de um apoio, alguém que diga o que fazer, o que pensar, o que sentir; o que ser. Ser e estar, em alheias línguas. Estar? Talvez. O conforto, o possível conforto do passageiro, do momentâneo, do mutável, esperança. No futuro, quem sabe, reconhecer-se. Próximo? Assim, tocável? Não: distante; como toda luta. Necessidade de movimento, de se levantar e continuar: busca. Mas do que, se não se sabe o quê? Novamente: cansaço. De nada. De não poder ser nada por não poder saber o que se quer. Querer ser único. Reconhecer-se entre o resto dos rostos, dos cheiros, das vozes, das idéias; desmassificar-se. Como? Não tão, mas simples: unir-se: juntar os pedaços, aquilo que é constante, que se admite facilmente: um começo. Depois, o mais difícil: exegese de si. Um trabalho, um projeto; uma vida. Isto é vida. Aceitar as discrepâncias, interiores e exteriores, o tempo, a imperfeição, a mortalidade: a si. Um olhar: o espelho: um reflexo, uma forma, uma pessoa. Ele; eu. Um símbolo. Aceitação.

7 comentários:

Djaysel disse...

"aquilo que é constante...O conforto, o possível conforto do passageiro, do momentâneo, do mutável, esperança através desse tempo que aparece esparso... distante mas orgânico ainda. De fato: inteiro.


ao som.....The.... Tour....ist

Lusca disse...

Dj,
e ai,
deu p sacar a parada?
heuheuheue

Djaysel disse...

¬¬....

Lusca disse...

Dj,
=)

poli disse...

mto mto bom

Lusca disse...

Poli,
brigado =*****

Djaysel disse...

sabe... no dia eu estava muito doido!!! hauhauhauhauhau mas me lembrou bem de muitos momentos ai em recife!!! muito bom isso tudo... apesar que passar tb por isso não foi muito interessante no momento... mas fica a energia da coisa por perto...